Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário do "bipolar"

"Diário do amor, em parcelas escritas de lágrimas, silêncios e ânsias. O tempo igual ao de todos, pincelado de saudade e esperança. A luz que surge no caminho. Viver. Cair e levantar. Em cada dia."

Diário do "bipolar"

"Diário do amor, em parcelas escritas de lágrimas, silêncios e ânsias. O tempo igual ao de todos, pincelado de saudade e esperança. A luz que surge no caminho. Viver. Cair e levantar. Em cada dia."

Da carência à inocência

Por momentos deram uns quantos abraços como se fosse aquilo que ambos desejassem desde há muito, escondiam no íntimo para não se tornarem vulneráveis e expostos. Por momentos foram um, como se de uma fusão se tratasse e onde deixou de existir qualquer tipo de escuridão a atormentar. Ela não o conhecia, ele também muito menos, mas pareceu que se conheciam desde há muito. Aquele abraço, aquele toque, aquelas flores no ar do perfume misturado com a maresia, foi demasiado encantador. Naquele instante, naquele momento estavam os dois protegidos e não se conseguiam largar porque era aquilo que precisavam. A intensidade, o sentimento, o momento, a pessoa, o carisma.

Aconteceu...

Duas almas  fundiram-se e por momentos ficaram confusas, porque alguém conseguiu entrar no sentimento adormecido e negado desde há muito tempo. O que significou para eles? Nada e tudo! Apenas andavam perdidos dentro de eles próprios. Mas naquele momento, naquele instante, encontraram o quem em outrora perderam.

Dado à sua intensidade, ambos imaginaram um abraço tão longínquo que os fez acreditar que iria ser até ao final dos seus dias.

Entrelaçados naquele abraço não houve espaço para medos.

 

21245447_10209877422040101_308480814_n.jpg

Foto de: Sara S.

 

http://fotografiasaras.blogspot.pt/